Rodrigo Cogo participa de curso sobre blogs corporativos

O RP recém-chegado a São Paulo, Rodrigo Cogo, participou do curso da Aberje sobre Blogs Corporativos, sob o comando da jornalista Pollyana Ferrari.

Veja as impressões:
Blog é canal de relacionamento
Fomentar discussões entre equipes para estabelecer consensos de atuação, humanizar o ambiente de trabalho com a promoção do diálogo franco e amistoso sem hierarquias, estimular o espírito crítico e a renovação contínua no cotidiano das tarefas, divulgar posicionamentos em linguajar coloquial e ilustrado. Todos estes podem ser usos de um blog numa organização, além de uma outra lista considerável de aplicações. A idéia é experimentar e abrir mais uma ponte de relacionamento com os públicos de interesse, encontrando caminhos e maneiras próprias de servir-se da tecnologia para aproximar pessoas. Este pode ser um rápido resumo do conteúdo desenvolvido no curso “Blogs Corporativos”, para uma atenta e curiosa platéia de profissionais de dez estados diferentes, pela jornalista e doutora em Comunicação Pollyana Ferrari. O treinamento foi realizado pela Associação Brasileira de Comunicação Empresarial (www.aberje.com.br) no dia 18 de março de 2008 em São Paulo/SP.

Na dinâmica de crescimento da internet, Pollyana faz um retrospecto das diferentes interfaces disponibilizadas para os usuários e audiências, termos que por si só foram substituídos em tempos de web 2.0, num panorama em que todos são agentes e interlocutores. De outro lado, o próprio sistema se auto-regula e bane as condutas equivocadas, ainda que seja sempre indicável estabelecer políticas de participação. Na esteira deste enfoque colaborativo, muitos canais foram criados e estão em processo de amadurecimento, como os blogs, micro-blogs, redes sociais, feeds e outras ferramentas que enriquecem a experiência e torna todos protagonistas. “Chegamos numa fase em que a linguagem se simplifica e passa a existir cada vez menos barreiras entre as pessoas, menos privacidade e mais intimidade”, relata.

Daí vem o neologismo mais tratado na atualidade: o consumer-generated media (CGM) ou mídia gerada pelo consumidor. Trata-se do conteúdo criado e divulgado pelo próprio cidadão, em fóruns, listas, blogs, fotologs, comunidades, grupos, troca de favoritos, sites participativos e comentários, a partir de celulares, palms, emails, mensagens instantâneas. Segundo a professora, é por isto que explodem na rede os sistemas de gerenciamento de conteúdo agregando parte dos usuários por contextos comuns, com liberdade de expressão. E como diminuem os limites entre público e privado, é uma realidade inconstante. “Blog é uma ferramenta muito boa, mas pode se voltar contra você”, alerta ela, acrescentando que nem todas as empresas estão prontas para esta inteface porque também precisa haver um alinhamento interno em torno da transparência e do diálogo. De todo modo, indica que todos os comunicadores e as suas diretorias precisam exercitar o hábito de ler blogs para assim entender o jeito, o linguajar, a forma de postagem para futuras incursões na área, bem como precisam assinar o RSS dos blogs para receber as atualizações e compreender a dinâmica das conversas e temas.

RP Rodrigo Cogo ­ Conrerp RS/SC 1509
Gerenciador do portal Mundo das Relações Públicas (www.mundorp.com.br)

You may also like...

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>